Quem constrói trilhos sabe da existência dos trens

Por Patrícia Pinheiro

Recentemente, em uma das aleatórias e proveitosas conversas que sempre tenho com um amigo meu, para exemplificar como suas crenças funcionam, ele compartilhou comigo o seguinte fato pessoal: “Sabe, Pati, sempre que eu vou tomar banho, eu lavo bem cada parte do meu corpo – inclusive a orelha -, não só porque gosto de higiene, mas porque penso que, por mais improvável que seja, nunca se sabe quando alguém vai querer beijá-la.”

Pode parecer algo bobo, mas, com isso, ele me mostrou que, apesar da preguiça – que sempre é potencializada pela desmotivação advinda das grandes chances de nossos esforços se mostrarem “inúteis” – ele não deixa de dar minuciosa atenção a algo que poderá vir a garantir-lhe alguma forma de satisfação; ele não deixa de acreditar na possibilidade e garante, todo dia, que tudo seja feito para que se dê o sorriso mais aberto quando a vida também lhe sorrir.

É o que fazemos ao começarmos a estudar para aquele concurso impossível; ao capricharmos no visual para ir até o mercadinho da esquina; ao lembrarmos ao vô com Alzheimer quem somos e o quanto o amamos. A gente inventa desejos, grandes ou pequenos, e, antes mesmo que se tenha caneta e papel, os desenhamos através da fé e dedicação diárias; das saudáveis doses de otimismo que nos movem a seguir traçando linha por linha, ainda que se saiba que, ao final, tudo pode virar um grande rabisco.

No filme “”, quando a personagem principal desabafa com seu amigo, se questionando sobre o propósito de estar dedicando tanto tempo para reformar sua nova casa se não haveria ninguém com quem dividi-la – e seu sonho era construir uma família ali -, ele responde: “Entre a Áustria e a Itália, há uma parte dos Alpes chamada Semmering. É uma parte incrivelmente difícil de subir, um local muito alto das montanhas. Eles construíram um trilho nestes Alpes para ligar Viena e Veneza, mesmo antes de existir um trem que pudesse fazer a viagem. Mas eles construíram porque sabiam que, algum dia, o trem chegaria.”

É claro que, como em toda boa comédia romântica, o trem dela chegou: ela não só encontrou o parceiro dos sonhos como preencheu a casa de festas e amigos. No mundo real, sabemos que não é bem assim. A gente inventa e reinventa desejos, quebramos a cara e, por vezes, descobrimos felicidade naquilo que nem fazia parte do roteiro.

Mas o importante é que, desde que saibamos descartar aquilo que não nos acrescenta e que não façamos – ativamente – mal a ninguém, possamos carregar serenidade suficiente para encontrarmos felicidade no processo – afinal, SOMOS processo; motivação para não perdermos o encanto dos detalhes e construirmos trilhos, ainda que não tenha um trem para passar; e, acima de tudo, o otimismo necessário para que estejamos abertos e prontos para colher todas as felizes aleatoriedades da vida.

so o sol 2
Cena do filme “Sob o sol da Toscana”
COMPARTILHAR
Patrícia Pinheiro
Gaúcha e estudante de Psicologia. É escritora e revisora de textos na Sociedade Racionalista, colunista do CONTI outra, artes e afins, Fãs da Psicanálise, Inspiring Life e escreve, ainda, para o Blogueiras Feministas; Brasil Post; Benfazeja; Psiconline Brasil e Puta Letra. É feminista, apaixonada por moda e assumidamente viciada em filmes e séries. Ainda irá viver da escrita.



DEIXE UMA RESPOSTA