Para vestir o amor

Numa convulsão de pensamentos, enfio a mão dentro do grande baú. Fico de peito aberto, caçando um sentimento que me caia bem. Quero vesti-lo como roupa de festa, experimentá-lo ao espelho como adorno de cabelo. “Tem amor?” “Tenho”. Respondo e me assusto. É grande, mas me cabe. Fico à vontade dentro dele, mas com o tempo vou engordando de outros sentimentos menos essenciais, e o amor… Ah! Fica apertado, dolorindo o peito feito colarinho machucando o pescoço.

Quero extinguir as mesquinharias para poder ficar bem feliz dentro do amor. Para senti-lo em sua essência, usá-lo durante anos e correr para ele sempre que sentir saudade. Às vezes, consigo arrancar com força o que tira a vez do amor. Meto a mão no peito e jogo fora tudo que é dor. O que mais encontro é mágoa, resto de algo que nunca foi amor fica ali depositado no almoxarifado da desculpa do “depois eu resolvo”, atrapalhando a entrada como “lixo de porta”.

Sei que eu não devia dizer, mas digo sempre: “estou por um fio”. É o modo de proteger a mim mesma. Vivo um desafio que dura enquanto eu durar. A dor me testa, a provo a colheradas, sem fazer caretas, já conheço de longa data…

A faço imaginar que já perdeu a graça, para que ela pare de me experimentar. Mas ainda a sinto doer. Choro baixo que é para não acordar meu silêncio. É nele que busco a indumentária certa para sair de manhã resistindo a tudo.

Tenho usado muito a capa de chuva. Você sabe o que é? É isso mesmo… capa de chuva é solidão, mas não protege. Está sempre furada, respingando mágoas e vazando queixas. Nos põe no cordão de isolamento e a gente fica ali, parado, esperando a chuva que não é fina, passar. E numa hora dessa, o amor já vai longe, já pegou a estrada e o baú está cheio de porcarias. Roupa que nem é de festa está lá para lhe engordar diante do espelho.

Tem o que aí dentro de você? Se tiver amor, mantenha o ritmo. Você está protegido. Nem precisa de capa de chuva para sair de casa e aguentar o frio.

E eu… Ah! Eu…eu vou esvaziar meu baú, quem sabe ficar nua ao espelho e ir me vestindo aos poucos, assim posso escolher uma peça de cada vez. E aí, de manhã, posso sair, pegar a estrada, revigorada, sem capa de chuva, mostrando as curvas que o amor lapidou…

COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here