Para encontrar o sol…

Sigo assim: esticando o denso tecido dos dias, criando retalhos coloridos para enfeitar os meus instantes nublados.

Nem sempre acho o sol. Nem sempre consigo ter paciência. Minha paciência nasce de uma vontade caótica de que tudo se resolva em tempo hábil. A vida não funciona assim. As soluções repousam caladas dentro de um tempo indeterminado.
O tempo não é meu. Não é seu. Quando você já fez o que podia, o jeito é esperar. Não adianta espernear, chorar, gritar e ficar revoltado.
A resposta será a mesma: “espere!” Quando não tiver mais forças, continue esperando. Não adianta confiar que o outro tenha a “palavra-remédio”.
Que o outro tenha a cura automática. Que o outro seja a bula: especialista em recomendações fantásticas, receitas fenomenais de sucessoe abrandamento de corações aflitos. O outro também vive com suas dores e medos. O outro também chora no banheiro. O outro também se esconde do mundo. Quer um lugar para caber, para morar sozinho, para ser ilha, para ser ele, para ser outro…
…e enquanto isso, o mundo gira velozmente e eu encontro o sol de novo.
COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here