“O amor não faz conta”

Quem já sofreu por amor costuma desenvolver mecanismos de defesa, e às vezes adiciona requintes de crueldade a essa inútil tarefa.

Exige que o outro se mostre primeiro para barganhar o tanto de si que poderá ser visto. Não quer se decepcionar outra vez e usa o “novo amor” para descontar os traumas da antiga relação ou para fazer testes imbecis.

Aperfeiçoa a tática da indiferença e preguiça, mal sabe que o risco de se apaixonar é proporcional ao desdém empregado. Cobra que o outro fique nu de si mesmo enquanto sequer tirou o roupão da alma. Mostra-se devagar, em doses homeopáticas, enquanto o outro se entrega desarmado e esperançoso.

A desconfiança vai cedendo aos poucos. O sorriso do outro deixa de ser apenas decorativo, passa a ser imprescindível. Urgente. O amor passa a ser considerado uma hipótese; os olhos são explorados com demora e os detalhes mais bobos são reparados com admiração profunda.

A boca já não é apenas o receptáculo de beijos comuns. É dali que sai a poesia do improviso, acompanhada de toques sôfregos e promessas sussurradas. A ausência começa a doer fundo e cada objeto tocado pelo outro se transforma em peça única no mundo. São mimos sinestésicos, talismãs que amenizam a saudade.

É quando a matemática ajoelha diante do amor, e o perigo de ser trouxa sai da pauta. Ainda não consegue se entregar totalmente, mas vai se esgueirando nas palavras amorosas do outro, e já sente que pode caminhar na relação sem as rodinhas do medo.

É quando compartilha o casaco para impedir que o outro pegue um resfriado.

É quando empresta os ouvidos a um problema, a uma dor, e se dói junto, sem a preocupação de espantar a torrente de lágrimas e o desespero.

É quando cede o cachorro para acompanhar o outro num passeio. A guarda temporária do afeto de patas indica o progresso da união. Cuidar do cachorro do namorado é o vestibular da confiança.

É quando admite que estava errado e com medo de sofrer. Que fechou as portas quando devia abrir o coração.

É quando pede perdão e admite que cada ser é um “estranho ímpar”.

É quando abandona a mania de adiantar “tragédias” e se deixa viver. (Apenas viver!)

É quando entende que “o amor não faz conta” simplesmente porque não é preciso.

A imagem de capa é da ilustradora indiana Nidhi Chanani

COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here