Infância é lugar para voltar sorrindo

“Reinventar-se é ser capaz de colorir a vida com tons que não desbotam diante da resistência das dores.”  Ester Chaves

Quando crescemos, costumamos “reinventar” a infância. Recordamos com lágrimas nos olhos, a imensidão daquele quintal cheio de árvores e mundos por desvelar. A proibição era o gostinho saboroso que temperava a aventura de invadir territórios e sair com as sacolas abarrotadas de frutas. Às vezes, esquecíamos o perigo do flagrante e sentávamos bem perto da mangueira para devorar os produtos do furto. O hálito fresco do vento batendo nas folhas das árvores, a tarde caindo mansa sobre a varanda do mundo, dava a sensação de que jamais seríamos surpreendidos, pois o nosso único crime era o de ser feliz. O medo era passageiro naquele comboio de sorrisos e brincadeiras. Se um amigo não pudesse comparecer à reunião clandestina, recebia em casa uma sacola de frutas mediante a promessa de ressarcir o outro na próxima aventura. E assim, seguíamos, eternos cúmplices, dotados de uma fraternidade inviolável. O suporte na hora de subir o muro mais alto e a sensação de vitória quando estávamos todos do mesmo lado, era a nossa maior demonstração de coragem e cuidado. Depois da travessia, avaliávamos as condições físicas de cada um, detectávamos que não havia arranhões nem blusas rasgadas, e seguíamos desbravando os quintais alheios.

Por que buscamos a infância para recordar que um dia fomos felizes?

O crescimento nos endurece um pouco, sem dúvida, mas não devíamos recorrer à infância para escapar do lugar que somos agora. O nosso lugar deve ser acolhedor e as boas lembranças da infância servem para não nos perdermos de nós mesmos, da nossa história. Crescemos, sim. Mas por que não nos reinventar?

Se era bom o cheiro do mato, por que não é mais? Se era bom viajar e conhecer lugares, por que não é mais? Se era bom fazer as coisas mais simples com capricho e alegria, por que não fazer mais?

O automatismo, o “mais do mesmo” nos levam a concluir que o “antes” era melhor que o “agora”. O ser não é um construto completo, está sempre em “vias de tornar-se”. Portanto, a mudança está disponível em tempo integral. A infância é a nossa memória primitiva, costumamos guardar lá os rascunhos de sonhos, a “poeira das nuvens”, os devaneios e as nossas borboletas estampadas. A infância deve ser aquela casa de passeio, onde o visitante já crescido, demora olhando os brinquedos, ri de todas as travessuras, e sente saudade porque viveu da forma mais intensa que podia.

A responsabilidade aparece com o tempo, está no kit do crescimento, assim como estão todos os outros afazeres que às vezes nos distanciam do que fomos, e assim, de vez em quando, mergulhados nessa memória saudosa, nesse recanto inaugural, sentimos saudade da ingenuidade, da forma mansa e corajosa que encarávamos a vida. “Reinventar-se é ser capaz de colorir a vida com tons que não desbotam diante das dores”. Se crescer é doer sem explicação e ficar sem respostas de vez em quando, que possamos retornar à infância para recuperar o fôlego e depois, renovados, colorirmos com graça o privilégio de cada instante. Infância é lugar para voltar sorrindo.

Imagem de capa: La douche à Raizeux, by Robert Doisneau, 1949

COMPARTILHAR
Ester Chaves
ESTER CHAVES é uma escritora brasiliense. Graduada em Letras pela Universidade Católica de Brasília e Pós-graduada em Literatura Brasileira pela mesma instituição. Atuante na vida cultural da cidade, participa de vários eventos poético-musicais. Já teve textos publicados em jornais e revistas. Em junho de 2016, teve o conto “Os Voos de Josué” selecionado na 1ª edição do Prêmio VIP de Literatura, da A.R Publisher Editora.

RECOMENDAMOS



DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here