Mais uma chance

Outro dia revi “Comer, rezar, amar” num desses canais da TV paga. Elizabeth Gilbert sempre me surpreende com algumas de suas frases, e dessa vez não foi diferente. Num dado momento, o amigo da personagem principal diz: “Você precisa aprender a escolher seus pensamentos do mesmo jeito que escolhe as roupas que vai usar a cada dia. Se você quisesse tanto assim controlar as coisas da sua vida, trabalhe com a sua mente. Ela é a única coisa que você deveria estar tentando controlar. Reconhecer a existência dos pensamentos negativos, entender de onde vieram e porque apareceram e então _ com grande capacidade de perdoar e com grande coragem _ mandá-los embora.”

 A frase coube direitinho neste começo de ano em que decidi reciclar meu interior e voltar para a terapia. Estou me dando de presente a oportunidade de entender meus pensamentos, saber de onde vêm e conseguir fazer deles algo melhor e mais bonito.

 A gente reluta muito em entender que somos o início e o fim da maioria de nossos problemas. E é engano acreditar que podemos controlar o tempo, as pessoas que nos rodeiam e as circunstâncias que nos cercam sem modificar a forma como olhamos para o tempo, para as pessoas e para as circunstâncias. A mudança está no pensamento, na escolha daquilo que permitimos que permaneça dentro de nós.

Acolher o ano novo é reconhecer que nos foi dada mais uma chance. Mais uma chance de tentarmos ser melhores mesmo que isso nos custe muito esforço. Mais uma chance de querermos muito alguma coisa ao ponto de não desistirmos dela ao primeiro obstáculo. Mais uma chance de agradecermos em vez de reclamarmos, e simplesmente aceitarmos a vida como um presente, e não como um fardo. Mais uma chance de reconhecermos que temos sorte, por pior que pareçam os momentos.

Escolher os próprios pensamentos pode parecer simples, mas não é. A mente se habitua a exigir em vez de agradecer. E teima em navegar por águas turvas, de descontentamento e desilusão. Por isso necessita de esforço. Tentar de novo, todos os dias, é um exercício que deve ser repetido exaustivamente, até chegar ao ponto em que o hábito vira rotina, e a repetição se torna vocação. Ninguém disse que seria fácil, mas pode ser possível se você tentar.

A realidade depende da forma como interagimos com ela. E agora me veio à mente uma história (real) que meu marido conta. Na época em que morava no sítio e estudava na cidade, um de seus colegas de classe se esforçava para repetir de ano. Parece que repetiu inúmeras vezes porque não queria deixar o colégio, já que isso representava voltar a trabalhar na roça. O que para alguns poderia parecer um fardo (repetir de ano), para ele era uma bênção. Assim são nossos pensamentos. Podem nos conduzir para uma existência leve, sem dívidas, ou podem fazer da realidade uma extenuante repetição de fardos pesados, difíceis de carregar.

Que 2016 traga mais uma chance e com ela o amadurecimento de nossa capacidade de escolher bem os pensamentos, dando real importância ao que deve criar raízes em nós. Que possamos reconhecer mais uma chance nos dias que ainda não foram escritos, e que aprendamos a colorir nossas folhas em branco da melhor maneira que pudermos. Que haja esperança, porque ela é o combustível para os momentos difíceis. Que haja fé, pois ela nos permite resistir quando falta acolhida em nossa vida. Que não nos falte afeto nem boa companhia, mas que saibamos tolerar nossa solidão com sabedoria. Acima de tudo, que a gente não desista, pois a vida é para quem ousa insistir, mesmo quando a dúvida parece resistir…

Bem vindo 2016!

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



12 COMENTÁRIOS

  1. Minha filha,

    Cada dia…cada hora…cada minuto …cada ano…são chances que Deus nos dá para nos aprimorarmos e nos tornarmos melhores.
    Melhores para servir …melhores para nos comunicarmos.
    Adorei a crônica!
    Leva-nos também a nos policiar nos pensamentos!
    Que sejamos nossos Anjos do Bem , a cuidar de bons pensamentos, a espantar para bem longe, o desânimo, a vingança ,o mau humor.
    Com as bênçãos de Deus, que tenhamos…coragem, perdão e muita alegria de viver.
    Parabéns!
    mamãe

  2. Oi Fabíola, meu nome é Ires venho te agradecer por essas lindas palavras, e me impressiona a capacidade que pessoas tem, de nos tocar de forma tão profunda sem ao menos nos conhecer. Tenho 15 anos e até então nunca fui de traçar metas, fazer promessas ou pedidos na virada do ano, mas dessa vez por vários motivos sentir a necessidade de traçar uma meta para 2016, vem sendo muito difícil cumprir essa meta, nas são essas palavras tão sinceras mesmo vindo de um desconhecido que me dar ânimo pra não desistir, seguir em frente mesmo quando tudo parece impossível… Deus me deu uma nova chance… Muito obrigada Fabíola por essa crônica. Bjs.

  3. Fabíola não conhecia suas obras.Por acaso li um comentário e se referia ao seu nome citando uma obra e alguns textos. Pesquisei e realmente constatei através da leitura de seus textos que ela tinha razão em mencioná-la como uma excelente escritora.Admirei muito a profundidade de seus textos e me identifiquei muito com eles e naturalmente com a autora.Parabéns! Hoje foi um dia muito feliz em ter a oportunidade em conhecê-la.Mais tarde pretendo comprar o seu livro e procurarei maiores detalhes sobre a compra.Ganhou mais uma fã, graças à referência feita por minha amiga.Meu nome é Graça Maria Abrantes. E-mail [email protected]. Abraços!

DEIXE UMA RESPOSTA