A você, que me fez enxergar tudo o que eu poderia ter

 Algumas pessoas nos refletem melhor do que somos. São espelhos em que nossa imagem fica mais serena e brilhante do que realmente é. Através de seus olhos, nossa trajetória ganha contornos inusitados, como tela nua em que os pincéis dançam uma coreografia certeira até formar o significativo desenho. Perto delas, nossas cores se mesclam, e mudam do abstrato para o concreto num instante.

Seu aniversário chega amanhã; e ontem, durante o jantar, tentei pensar no que lhe escrever. Eu, que fiquei devendo o cartão do Dia dos Namorados, não poderia ser duplamente abstinente. Não de você.

Você, que há quatorze anos me fez enxergar o que eu poderia ter, e mais ainda, me permitiu descobrir o que havia em mim, além daquilo que eu simplesmente me restringia entender.
Eu não sabia que poderia querer todas essas coisas que hoje fazem parte de nossas vidas juntos. Não sabia que haveria tanto chão em nossos pés e tantas asas em nossos planos. Que nossas mãos se uniriam mais nas dificuldades que na bonança, mas seriam cúmplices de uma alegria sem beiradas, enquanto enfrentariam os dias mais tempestuosos com uma delicadeza abissal e respeitosa à dor.

Você, que também trouxe dúvidas, mas soube apaziguar as punições do amor com sua certeira generosidade. Você, que chegou quando a vida começou a doer, e trouxe um recanto para minhas fragilidades, uma enseada para meus devaneios tão inconstantes.

Durante o jantar, não soube o que lhe escrever. Enquanto os garfos batiam nos pratos e bebíamos nosso vinho de todas as noites, nosso menino não parava de falar. Ele tinha desenhado uma fênix e queria colocar mais detalhes no papel. Eu jantava procurando a imagem na internet enquanto você falava sobre o carnê do INSS. Nossa rotina tão particular, tão nossa, interrompia meus pensamentos enquanto eu deixava o prato mais uma vez para atender ao telefone. Você dizia que eu não devia fazer isso _ “hora do jantar não é para ser interrompida”_ e eu concordava atendendo seu pai do outro lado da linha. Assim vivemos, assim envelhecemos juntos (ia escrever ‘crescemos’, mas percebi que essa fase de crescimento ficou lá atrás, rs!). Mas crescemos também, em nossas conversas, confissões no meio da noite, piqueniques escondidos no quarto de visitas, dificuldades e tempestades que enfrentamos amparados pelas mesmas mãos que hoje se agitam na torcida por nosso pequeno na natação ou no tênis, nas comemorações da escola ou em nossas vitórias tão particulares _ pequenas aos olhos do mundo, gigantes para nós dois.

Ao pensar-me parte de nós dois, percebo o quanto nossas vidas se entrelaçaram. E lhe agradeço por ter despertado em mim a melhor definição que aquele esboço poderia tomar.
Por ter permitido que eu trilhasse um caminho coerente comigo mesma; e principalmente, me ajudado a enxergar tudo o que a vida poderia me dar.

Feliz Aniversário!
Com amor,
FABÍOLA SIMÕES

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA