Um pouco de malandragem…

Eu não sei pechinchar. Sério. Desde um passeio sem compromisso à feirinha hippie até a compra de um carro, não consigo chorar desconto. Quer dizer, tenho aprendido, devagarzinho, a falar: “À vista é mais barato?” ou até: ” Se eu levar duas pulseirinhas, tem um descontinho?” Mas então, se o vendedor for ponta firme, e disser assim: “ah, mas já está em preço de liquidação”, eu aceito. Aceito quietinha e quase me desculpo por ter ousado pensar em pagar menos.

Tenho dificuldade em desejar. Se encontrasse o gênio da lâmpada e tivesse direito aos três pedidos, seria uma mistura de alegria e culpa. Um desperdício na hora do deleite.

Você deve estar imaginando: “Mas que pessoa sem graça, desbotadinha, quase um café com leite…” e eu hesito em contestar, porque sei que lá no fundo existem desejos sim. Desejos de ser mais dona das minhas vontades, corajosa em meus delírios de consumo e necessidades, certeira naquilo que me realiza.

E mesmo não sendo fácil “esperar o ônibus da escola sozinha… rezando baixo pelos cantos por ser uma menina má…”, é moleza aceitar as prisões que construímos pra nós mesmos. Prisões sem grades ou muros, mas tão limitantes quanto. E penso no quanto a falta de ousadia ou desejo amarra a vontade de nossas asas.

Se encontrasse o tal gênio, o pedido seria um só: “Um pouco de malandragem”… ou a ginga necessária pra escapar ilesa de meus próprios julgamentos e aflições.

Desejaria a tranquilidade dos que se sentem a vontade dentro da própria pele, dos que não recusam o prazer nem se desculpam pela alegria excessiva.

Esfregaria a lâmpada ávidamente em busca de boêmia_ não aquela que vaga sem hora nem destino madrugada afora_ mas a boêmia de quem tem o espírito livre e coração solto. Dos que têm a fala mansa, certeira, gentil e desejosa de se acariciar verdadeiramente.

Seria boêmia numa dança sem coreografia com minha alma, permitindo seu voo, e principalmente descobrindo o que lhe completa, o que lhe realiza e finalmente, o que lhe basta.

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



2 COMENTÁRIOS

  1. Uma dica? chega com o dinheiro em trocadinhos e mostra, ninguém resiste; mas é preciso chegar marcando presença, e depois ainda passa todos os dias para se fazer conhecido.

DEIXE UMA RESPOSTA