Francamente, cá entre nós

“Que Deus me perdoe e minha mãe me entenda” digo às vezes, assim, pra mim mesma, quando ando cansada de “grandes aglomerações”.

 Nunca entediada dos meus afetos, da turminha que me acompanha, mas desejando fechar-me em minha casca, meu casulinho particular, onde teço meus pensamentos, amadureço meus sentimentos, jogo fora o que não merece ser reciclado.

 Sou de natureza introspectiva e de vez em quando peço perdão por isso. Perdão porque muita gente não entende essa minha mania de ser só eu, eu e minhas caraminholas tão particulares. 

 Criamos o hábito de nos ferir. Acostumamos com aquilo que faz mal e perdemos tempo com o que não acrescenta.

 Vivemos de aparências para que ninguém perceba o quão incomodados estamos. E por que não revelar que preferimos de outro jeito? Por que não dizer “sim” para nossas necessidades de paz, solidão, escolhas? Por que essa mania de se desagradar para agradar?

 Como diz o dr. Drauzio Varella: “Se não quiser adoecer, não viva de aparências. Quem esconde a realidade, finge, faz pose, quer sempre dar a impressão de estar bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho, etc, está acumulando toneladas de peso… uma estátua de bronze, mas com pés de barro. Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor”

 Então francamente, cá entre nós, vamos tirar esse peso dos ombros, da vida.

 Você só deve satisfações a quem realmente importa. Aprenda a não expôr suas dores e delícias de graça nem espere entendimento ou retribuição de onde não há.

 Seja leve, diminua as poses e agrade sua alma. Selecione seus afetos e não acumule dívidas com seu interior.

 Esqueça algumas pessoas. Nem todo mundo merece destaque na sua vida e manter todos por perto despende energia demais.

 Não perca tempo tentando entender. Algumas coisas simplesmente não têm explicação.
 
Ore por aqueles que ama, entregue seus caminhos a Deus e espere que Ele tome conta. Você não tem controle sobre tudo.

 E acima de tudo, se vale algum conselho, cuide do que é seu.

       

                                                                                                                       

COMPARTILHAR
Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.



15 COMENTÁRIOS

  1. jogando pétalas ao vento…alguma alma poderá ser agradada, saudada. mesmo sendo frágeis tem a cor, o perfume, a beleza, a própria leveza.

  2. Fabíola, eu me vi neste seu post…sou bem assim e olhe falo do alto dos meus 64 anos e ainda não consegui, de todo, me tornar mais leve. Pensando bem, até que estou melhorando, pelo menos tenho adoecido menos, sentido mais alegria sem necessidade de motivos. Realmente tenho vivido mais em harmonia com o que sou, sem dar tanta importância às aparências, minha ou de quem me cerca.
    Você escreve muito bem, toca o ponto certo! Sou sua fã! Hilda

  3. Doces, sinceras e lindas palavras. Você simplesmente fala diretamente ao meu coração. Sempre quando não estou bem, venho visito seu blog e logo me sinto melhor… Obrigada linda! 😀 Beijos!

  4. Perfeito!
    Estou passando por um momento da minha vida onde sou julgada justamente por não viver de aparências, por falar e expor o que sinto… É uma pena que nem todos estão preparados para isso, é mais fácil, mais cômodo fingir e viver de aparências, mas eu não gosto disso, pesa, faz mal…
    Vai ficar ao meu lado apenas quem for leve e capaz de me amar assim…
    Obrigada por suas palavras, são lindas e me confortaram muito hoje. Um beijão!

DEIXE UMA RESPOSTA