A mamãe é meu remédio

Ontem cheguei em casa e você esperava por mim; a vovó me contou que você disse “A mamãe é meu remédio” e nos abraçamos em silêncio até a febre passar. Por trás de seus olhinhos abatidos senti a sinceridade de suas palavras, e o calor de suas mãos presenteou meu pescoço. Se o céu existe, ele cabia no conforto daquele abraço. Essa sensação dormiu comigo mesmo sendo dia dos namorados e você lutando contra uma virose. Desde que me descobri mãe todos os papéis ficaram em segundo plano, mas como não me sentir recompensada depois de ouvir uma frase dessas? Sei que vou guardá-la por muito tempo, talvez por toda a vida, e me agarrar à sua poesia quando você crescer e for um homem feito, cheio de preocupações e responsabilidades.

Porque você ainda é um menino de seis anos e eu ainda posso ser o seu remédio, mas a vida vai lhe mostrar que não sou perfeita, que tenho falhas, desvios e manias, que não possuo varinha de condão nem respostas pra tudo, que a dipirona tem propriedades maiores que minha presença, que não sou digna de ser seu espelho porque meus erros serão fatalmente identificados por você no futuro para que não os repita com seus próprios filhos.

Mas não tem importância, hoje trato de aproveitar cada segundo ao seu lado, gravando na pele a sensação de seu corpo arredondado, sua risada farta e barulhenta, o toque de suas mãozinhas no meu cabelo_ que você insiste em arrumar num rabo de cavalo lateral_ ,seu cheiro principalmente quando corre e fica com o cabelinho suado, sua respiração profunda quando adormece. Essas são minhas relíquias, tesouros escondidos numa porção extensa do coração, consolo para os dias ruins e saudades futuras.

Nunca mais fui a mesma depois que te conheci. Antes pulava de paraquedas, hoje deduzo os riscos do carrinho de bate bate. Tinha as unhas feitas, ultrapassava os carros pela direita e ia ao shopping pensando só em mim. Achava que sabia o que Cazuza cantava nos versos “Ser teu pão, ser tua comida, todo amor que houver nessa vida…” mas só depois de amamentá-lo por dez meses pude entender acerca de amor incondicional e saber ser o sustento de alguém.

Ainda que a vida e o amadurecimento nos afaste, ainda que perceba que somos diferentes ou incompatíveis, que diga que exagerei na dose nisso ou aquilo, que não precisava ter sido tão severa ou tão melosa, ainda que me acuse por seus traumas, fantasmas e medos, mesmo assim serei grata a Deus pelo meu maior presente, pois você despertou algo em mim que eu desconhecia. Justamente quando achava que tinha controle sobre tudo, você veio para me dizer que não controlo nada. Quando acreditava que já tinha amado demais, você me faz sentir uma aprendiz em matéria de amor.

Quando minha casa se tornou modelo de perfeição e assepsia você invadiu mudando tudo de lugar, sujando as paredes e estofados com seus dedinhos melados, restos de pipoca e confetes coloridos; agregando aos ambientes cadeirões, cercadinhos, bicicletas e skate. Quando achei que era capaz de racionalizar tudo, você me fez adquirir o sexto sentido, ser mais intuitiva e capaz de expressões como “coração de mãe sente…”

Não há motivo para se lembrar das birras, refluxo, cólicas, noites em claro, viroses dilacerantes. De todos os trabalhos, você tem sido o melhor “ofício” e pelo qual sou mais bem remunerada. Não tem preço a alegria estampada nos olhinhos que brilham quando meu carro estaciona na garagem, o abraço forte que por vezes me tira o chão, as perguntas inteligentes e constrangedoras, os comentários engraçados, a forma pausada com que começa a fazer suas primeiras leituras, as festinhas na escola em que seu olhar procura aflitivamente por minha presença e se alivia ao me encontrar. Você trouxe alegria para nossa casa, como você mesmo diz. Alegria no barulho, nos carrinhos espalhados pelo tapete, nos desenhos colados nas paredes e geladeira, nos DVDs perdidos pela estante. Trouxe movimentação, inseguranças, busca de conhecimento; nos fez ler livros especializados_ “O que esperar quando você está esperando”, “Nana neném”, “limites sem traumas”, “quem ama educa”_ e mais uma porção de títulos, nos tornando quase especialistas no assunto. Mas sem cartilha ou manual descobrimos o ser único que você é, com suas próprias regras e necessidades.

Olhar para você é descobrir que o que é bom para meu ego certamente não é bom pra você. Quantas vezes você me mostrou que não é preciso impressionar ninguém, que sua hora é só sua, que quando você aprende a amarrar os sapatos, andar de bicicleta sem rodinhas ou cantar afinado posso me orgulhar mas não preciso te exibir para satisfazer minhas necessidades de aprovação e egocentrismo.

Espero que na jornada da vida você venha beber da fonte onde tudo começou. Que encontre em mim seu vínculo com a infância e tudo o que ela representa; o refúgio onde poderá se mostrar imaturo, brincalhão ou muito resmungão, independente da idade que tiver. Acima de tudo, estarei atenta para que jamais perca a ligação com o menino que existiu aí dentro. O menino que brincava, corria, colecionava sonhos. O menino que me abraçava e dizia: “A mamãe é meu remédio”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.

40 COMENTÁRIOS

  1. Fabíola, parabéns por presentear com textos plenos de sensibilidade e ternura todos aqueles que acompanham o seu blog.

    Um tanto por acaso li um comentário seu certa ocasião com o qual me identifiquei tanto que, a partir de então, tenho esse espaço adorável gravado entre os meus favoritos.

    Creio que outros tantos leitores tenham sido igualmente cativados por ser- nesses tempos em que velocidade e superficialidade exarcebadas são a tônica – cada vez mais acolhedor quando se encontra (ainda que no mundo virtual) um lugar onde valores e pontos de vista semelhantes aos nossos próprios ganham voz.

    Te agradeço por compartilhar!
    Felicidades e alegrias na sua vida… sempre.

  2. Rafaela:

    Seu comentário me encheu de alegria pois o blog ainda é recente e eu não tinha muita noção da resposta das pessoas (além da opinião dos meus pais, é claro…). Você escreve muito bem, tem um blog tb? Quem sabe não se anime a começar um… Obrigada pelas palavras, fico feliz que tenha se identificado.
    Um abraço,
    Fabíola

  3. Fabíola,
    Vi seu comentário no blog da Ana e resolvi conhecer e AMEI!
    Adorei esse texto, me identifiquei completamente porque tenho um menino de 9 e uma de 7 e me sinto exatamente como você. Vou adicioná-la aos meus favoritos e estarei sempre por aqui para compartilharmos experiências!
    Um grande abraço,
    Lu

  4. Oi Lu! Obrigada por me visitar e pelo recadinho carinhoso. Espero que apareça sempre e vamos trocando idéias e experiências! O blog é bem recente, mas tenho tentado mantê-lo sempre atualizado, com novidades! Esse texto relata o que aconteceu mesmo, uma virose aguda no dia dos namorados… só quem é mãe entende o quanto vale a pena TUDO, né?
    Beijos,
    Fabíola

  5. Revivi com suas palavras momentos memoráveis ao lado da minha Mãe. Lembrei-me de como ela também fora o remédio em meus dias febris, tristes e sombrios. Lindas letras traduzidas em sentimentos ímpares. Nostalgia. Sensibilidade. Graciosidade. Quase um refrigério. Adorei! Indico.

  6. Que belo texto! Parabéns! Cheguei ao seu blog por causa de um comentário seu num post do Mulher 4×4, e amei! Tenho 2 meninos, então, nem preciso dizer que rolou uma identificação, né? Abração

  7. amei o texto, chorei muito,,, me identifiquei muito agora com a frase mamãe e meu remédio… a 2 meses luto com a minha pequena de 2 anos com uma doença e que não sabíamos o que era… e todo os 7 médicos consultados diziam que era so uma infecção e dale antibiótico… e nada resolvia 2 meses de febre alta dia sim dia não…ate q uma noite em uma das piores crises de febre, falta de ar, tosse. passei a noite toda com ela no colo, dizendo que a amanha a mamae ia dar um jeito nisso,e ela dizia ta bom mamae, larguei tudo por 15 dias so pra cuidar dela… gastei horrores com medico particular exames pra descobrir q era uma bronco pneumunia. por conta de uma infecção de garganta q não curou direito… hoje ela teve alta total, pode voltar pra escolinha,apesar do tratamento continuar por mais 4 meses…. e com o maior orgulho que digo o que a medica me disse…. "mamãe sua pequena esta praticamente 100 por conta do seu carinho e dedicação " acordar 4 vezes de madruga pra dar remedio e ver se esta tudo bem não é pra qualquer um rsrsrrsrs… desculpa o pequeno desabafo…. mas adoreiii expressou tudo

  8. Fabíola, que amor de pessoa você deve ser! Seu filho certamente tem privilégio de tê-la como mãe. Muita sensibilidade em cada palavra. Obrigada por nos brindar com esse texto lindo! Eu sou mãe de três e agora na fase de avó, na qual estou me redescobrindo! Fase do amor sem limites…
    Grande abraço!

  9. Fabíola, Agradeço muito a Deus por existirem pessoas como você que conseguem externar sentimentos que temos dentro de nós e não conseguimos expor. Seu texto me tocou fundo o coração de filha, de mãe e de avó! Atualmente " os netos são meu remédio" , me motivam e me fazem prosseguir na vida!

  10. Maravilhoso!! Tenho sessenta e seis anos, quatro filhas, sete netos e concordo plenamente com tudo que escreveu! Gostaria de ter capacidade de expressá-lo tão bem!! Você tem um dom magnifico da escrita!! Abraços e parabéns!! Fiquei sua fã!

  11. Oi Fabíola,tudo bem?
    Quero te dizer que você ganhou mais uma fã e admiradora do seu belíssimo trabalho e desenvoltura com as palavras.Suas publicações são fantásticas e você é a primeira pessoa que eu sigo em um blog(olha que estou nas redes tem é tempo,rsrsrsrs). Enfim,peço a Deus que você continue nos prestigiando com suas palavras que emocionam e nos faz refletir para o bem,tenho um filho de 4 anos e chorei ao ler seu relato. Te conheci na página do face e estarei sempre por aqui,é um prazer te conhecer.

    Um abraço. <3

  12. Meu Deus que texto lindo ainda nao consegui parar o choro, lendo vinha minha filha em minha memória tão pequena ,tão minha,tão ela…. sem palavras

  13. Olá Elienai!
    Obrigada pela visita, pelo carinho e por acompanhar o blog, a página, as publicações… fico muito contente! Também acompanho seus comentários no face e me dão um feedback muito positivo, acrescentam muito! Obrigada! bjs!

  14. Seu blog é sincero e contagiante. Os textos nos sensibilizam e levam a reflexões valorosas. Passei horas acariciando as palavras e frases formadas, compartilhando com amigos a alegria que estava sentindo. Restaurador – assim é o seu blog. Obrigada Fabíola Simões!
    Abraços!
    Soraya Monteiro.

  15. Oi Fabíola, teu texto me encantou! Fiquei querendo mandar para meia filhos, já adultos com 31 e 21 de idade. Ele não tem idade será sempre atual. Hoje, sou avó e feliz por reviver de um modo diferente a criação , educação e amor de uma criança . Sou grata a ti, por me fazer recordar momentos felizes, divertidos e amados vividos com meus criados e amados filhos. Bjo

  16. Olá muito lindas suas mensagens,de um jeito prático simples vc transmite muito para todos que tem a oportunidade de ler essas maravilhas.Muito me identifiquei com suas lindas mensagens.Comecei com um blog mas nos tropeços da vida desanimei e apesar de gostar muito deixei de escrever,embora milhas mensagens não eram de minha autoria,pois adoro psicologia e tudo que nos ajuda a viver melhor.Grata por encontrar tamanha beleza que me alimenta a alma.

  17. Eu só chorei ao ler. Obrigada por escrever o que sinto e não saberia expressar tão bem quanto vc o fez. Deus te abençoe. Felicidades sempre.

  18. Fabíola, seu texto é maravilhoso e de uma sensibilidade emocionante. Sei que já escreveu há um tempo, mas será eterno enquanto existir uma mãe.
    Tenho uma filha só, que passou no Enem para cursar medicina numa universidade federal do interior de Minas em março com 18 anos. Mas em junho teve uma virose e fui cuidar dela durante 20 dias. Larguei tudo e fui.
    Por isso digo, tudo o que você escreveu é o que eu sinto mesmo sendo mãe de uma jovem. Abraço carinhoso.

  19. Sou tua fã a alguns anos, o que me levou a visitar teu blog diariamente. Porém nunca um texto havia me tocado tanto quanto esse. Sou muito grata por compartilhares essas preciosidades conosco, pois eles despertam sentimentos que não levam a dar o devido valor aos momentos que passamos com nossos filhos e perceber que o resto é pouco perto do tanto de amor que transborda desse vínculo. Muito obrigada!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here